segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

olho no furacão

conheço gente que só posso contar 
para comemorações
pileques
e pódios

mas há uns 
que eu nem conto para que chegam:
seja bater laje
capinar um mundaréu
ou escutar dores sem remédio
(além das opções anteriores)

não é questão de proveito próprio, serventia
entenda
é que eu gosto mais de gente assim, 
para tudo.

(Leitoras/modelos: Clarinha e Aline)